Galeria (2018)

O Bloqueio Continental e as Invasões Francesas tiveram lugar no século XIX e, como todos os acontecimentos importantes na história, houve um conjunto de factores que os provocaram. Depois do golpe do 18 do Brumário, Napoleão Bonaparte chegou ao poder e, durante o seu reinado, implementou reformas de carácter económico, social, religioso, administrativo, legislativo e educativo. Estas medidas contribuíram para a expansão do império francês, tornando-o o maior da Europa. No entanto, a Inglaterra era um alvo a abater, visto que era a maior potência industrial europeia devido à sua posição insular, ao seu poderio económico e à sua supremacia naval. Determinado em superar a Inglaterra, Napoleão Bonaparte decretou o Bloqueio Continental, que tinha o objetivo de impedir o acesso dos navios do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda aos portos dos países submetidos ao domínio do Império Francês, conseguindo assim, ruir a economia britânica. Para o conseguir, era necessária a adesão de todos os países da Europa, deixando Portugal com duas opções: aderir ao Bloqueio Continental e quebrar a aliança anglo-lusa ou mantê-la e ser invadido por tropas francesas. Portugal optou por manter a aliança com a Inglaterra e então, em 1807, dá-se a primeira invasão francesa. Esta foi liderada por Junot e tinha o objetivo de aprisionar a corte portuguesa, no entanto, quando o marechal chegou à capital, a corte já tinha embarcado para o Brasil, deixando o povo lusitano entregue às mãos dos franceses. Após a ocupação de Junot, este tomou medidas que despertaram um enorme descontentamento no povo português, fazendo com que, em 1808, eclodissem insurreições por todo o país e se travassem batalhas. A primeira invasão termina com a assinatura da Convenção de Sintra. Contudo, os franceses voltam a invadir Portugal em 1809, dessa vez liderados por Soult. As tropas francesas entraram em Portugal, após derrotarem os ingleses na Corunha, pela fronteira de Trás-os-Montes e Alto Douro. Mais tarde, a 12 de maio do mesmo ano, Wellesley e as suas tropas reconquistaram a cidade do Porto depois de vencerem a Batalha do Douro. A 13 de Maio, as tropas francesas deixaram Portugal, pois não conseguiam vencer as tropas inglesas. Todavia, a terceira invasão dá-se em 1810, liderada por Massena. Durante cinco meses foram travadas inúmeras batalhas, deixando o exército francês exausto e pedindo pelo envio de reforços. Em 1811, saturados de esperar por reforços, deram início à sua retirada de Portugal e, Beresford, derrotou-os uma última vez em Redinha.


Disciplina: História A

Professora: Ana Sousa


Autores

Autores:

  • Ana Vilarinho, Escola Básica e Secundária de Águas Santas, 11E
  • Nair Ferraz, Escola Básica e Secundária de Águas Santas, 11E
  • Beatriz Pereira, Escola Básica e Secundária de Águas Santas, 11E
  • Rui Oliveira, Escola Básica e Secundária de Águas Santas, 11E
© 2020 Projeto+. Agrupamento de Escolas de Águas Santas. Todos os direitos reservados.